sábado, 2 de janeiro de 2016

2016

Escrever é um exercício e uma forma de terapia. Enquanto faço a triagem de palavras na minha cabeça vou-me apercebendo do que me move, magoa, altera, condiciona, impele e ajuda a crescer. Por vezes, enquanto escrevo no ar palavras que são só minhas, durante muito ou pouco tempo, descubro mais sobre mim. 
Outras vezes, escrever é, simplesmente, a melhor forma de recordar. 
O ano passado, no dia 31 de dezembro de 2015, escrevi este texto e, hoje, foi maravilhoso voltar atrás e reconhecer-me nele. Sentir cada palavra como minha, cada esperança e desejo como promessa cumprida e cada gesto de amor que ambicionei completo em mim e nesta família que me acompanha. 
A promessa de uma filha amada cumpriu-se e ela é mais, muito mais do que o meu coração estava à espera. Devia ser sempre assim o amor por um filho. Enorme. Gigante. Cheio de cheiros e calor, de mãos e pés pequenos que se enroscam em nós, de muito colo e beijinhos no pescoço, de risos fartos e palermices mil. Que sortuda que me sinto quando olho para os seus doces olhos castanhos. Obrigada pelo teu amor minha pequena. 
Quanto à Miss Caracolinhos é uma fantástica irmã mais velha. Deixa que a irmã lhe puxe o cabelo sem se zangar muito com ela, apanha mil vezes o mesmo brinquedo que de propósito foi atirado ao chão, partilha o colo sem muito exigir em troca, faz de cavalinho e dá-lhe beijinhos sempre que pode. Não se pode querer melhor, não é? 
O amor dele, o meu amor maior, continua a fazer-me bater o coração com força. Sem palavras para o quanto me sinto grata por este amor, pela família que me deu, por tudo o que queremos e vivermos juntos. És tanto. 

Em 2015 tivemos o milagre da vida mas também a perda se fez sentir por aqui. Perdemos alguém que amávamos muito e isso fez-nos sofrer enquanto família e individualmente. Afinal, não existe dor partilhada, cada uma é única, reveste-se de roupas próprias e faz os danos que consegue. É a única coisa que não desejo que se repita em 2016, a dor, a perda, a tristeza. 
Tudo o resto pode ser assim, na mesma maravilhosa dose de amor.

Obrigada a quem me lê por aqui. 


12 comentários:

  1. Lindo texto (as usual)!
    Acho mesmo que a melhor dádiva que podemos oferecer aos nossos filhos é um/a irmão/ã. Aqui os mais pequenos também têm o melhor irmão mais velho do mundo - sempre atento mas disponível para as brincadeiras e com doses imensas de paciência. Delicio-me (emociono-me) sempre a vê-los juntos. Tão bom <3
    Bom Ano para vocês!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Ana. Concordo, é uma relação maravilhosa e eu adoro vê-las juntas, aquece-me o coração. <3 bom ano para vocês minha querida!

      Eliminar
  2. Lindas palavras! O melhor 2016 para vocês! Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Diana, para vocês também! <3 beijinhos

      Eliminar
  3. Também tu és uma mãe, uma mulher, uma profissional, costureira, blogger, maravilhosa! :) beijo e obrigado pelos teus escritos

    ResponderEliminar
  4. Que post lindo Patrícia e como me revejo nele (tirando a parte do nascimento durante o último Ano ;-) ).
    Um Ano fantástico para vocês <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico mesmo feliz que assim seja Maria, é sinal que és tão feliz como eu <3 um ano maravilhoso para vocês também minha querida!

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Obrigada linda Soraia, para vocês também! beijinhos mil <3

      Eliminar

Escrevam-me de volta. Gosto de saber que não estou a "falar" sozinha.... :-)